Alunos do grupo Yorubá Capoeira celebram a troca de cordas no CSU

“O evento foi realizado com sucesso, tudo conforme planejado”. Foi dessa forma que o contramestre Gesimar da Cruz Oliveira, o “Tico”, um dos fundadores do grupo Yorubá Capoeira, descreveu o batizado e a cerimônia de troca de corda, uma tradição da capoeira criada pelo mestre Bimba para graduar os alunos conforme o nível adquirido pela prática da modalidade de aluno a mestre.

Veja fotos do evento.

Realizada pela Prefeitura, por meio da Secretaria de Esportes, a troca de corda dos alunos do grupo Yorubá foi realizada no Centro Social Urbano (CSU), dentro do Parque Municipal Benedito Bueno de Morais, no último sábado (5).

Ao todo, 24 alunos dos projetos Oficina de Capoeira e Escola Aberta, realizados por meio da Secretaria de Esportes junto à Secretaria da Educação e Cultura, com idade entre 6 a 15 anos, conquistaram sua primeira e segunda graduação (1ª e 2ª corda).

Ao som de berimbaus, pandeiro e atabaque, os alunos mostraram sua evolução no esporte aos seus responsáveis e demais presentes no evento, além de terem recebido um certificado pela graduação.

Para o contramestre Tico, a cerimônia é sempre especial, já que é o resultado de todo seu trabalho e de seus parceiros. “Foi um planejamento realizado junto à equipe da Secretaria de Esportes. Tivemos a colaboração dos pais, dos alunos e dos grupos de capoeira das cidades vizinhas”, acrescentou.

A professora de capoeira, Kátia Aparecida de Jesus, graduada Dendê, compartilhou a mesma visão sobre o evento. “Estou sem palavras para descrever o que senti vendo a graduação e troca de corda das crianças. Gratidão a todos que nos dão a oportunidade de desenvolver este lindo trabalho. Aos pais, meus sinceros agradecimentos por incentivarem seus filhos a praticarem esportes e por compartilharem esses momentos tão especiais”.

Sobre o grupo Yorubá

O grupo Yorubá Capoeira foi fundado em 2008 pelo contramestre Tico e pela graduada Dendê Kátia, em Franco da Rocha. O nome “Yorubá” foi escolhido em homenagem ao povo africano e representa a língua Iorubá mais conhecida e falada nos continentes africanos.

Os interessados devem fazer a inscrição diretamente com o professor, nos dias e horários de aula, no CSU.

Texto: Lívia H. Magalhães – Foto: César Iury


Publicada em
Desenvolvido por CIJUN
ACOMPANHE O BOLETIM DA DENGUE